Jean Carlo Emer

TJ Holowaychuk anunciou que está largando o Node.JS e você com isto?

A repercussão não tem como ser das melhores quando um dos membros mais ativos da comunidade Node.js anuncia a sua despedida. TJ Holowaychuk (@visionmedia) detém a autoria de quase seiscentos pacotes do NPM. Seus projetos vão desde frameworks para teste, pré-processadores de CSS, template engines para HTML a framework de aplicações web. Sem contar a sua iniciativa em definir componentes para front-end muito antes de falarmos em WebComponents.

A primeira reação da comunidade foi agradecer todos estes projetos e a colaboração do TJ com a comunidade. Mas, em seguida, muitos se voltaram aos argumentos deixados no texto de despedida por de certa forma colocar em xeque o futuro do Node.js. Há algum tempo tenho pensando em escrever algo a respeito de como a plataforma é mal compreendida e o momento parece bastante oportuno.

Um breve histórico

Ryan Dahl, criador do Node.js, iniciou seu desenvolvimento buscando a melhor maneira de notificar o usuário sobre o progresso do upload de um arquivo. A plataforma teve como premissa ser um webserver que respondesse a requisições sem estar apoiado em um sistema de arquivos assim como Apache ou nginx.

Na época, o V8 se tornava popular pela sua perfomance e não havia nenhum projeto promissor que levasse o JavaScript para o server side (na realidade já existiam projetos como o Rhino). Ryan aproveitou que não existiam APIs para lidar com I/O e então pode definir a sua maneira.

Esperar o upload de um arquivo, por exemplo, pode ser endereçado sincronamente (ficando indisponível para outras requisições), criando novos processos ou threads (custoso e podendo ficar complexo com facilidade). O trunfo do Node.js é conseguir lidar com várias conexões (request/response) economicamente graças ao event-loop, tudo executa em paralelo exceto seu código.

Usos do Node.js

Acredito que o principal pacote do Node.js seja o Socket.io. Aplicações de real time utilizando Server Sent Events ou WebSockets são as mais adequadas para serem escritas utilizando a plataforma. Nunca pense em utilizar a plataforma para aplicações que servem muitos arquivos ou sejam CPU bound, existem soluções muito melhores para isto. Entenda melhor as razões e definições neste artigo do Fabio Akita. Levando isto em conta, o mercado em que realmente se aplica o uso de Node.js é limitado.

A disciplina de front-end tem ganhado importância e naturalmente evoluído para suprir as necessidade de desenvolvimento. O Node.js é escrito inteiramente em JavaScript, linguagem que todo o front-end está familiarizado. Nada mais natural que a plataforma seja utilizada para criação de ferramentas que garantam qualidade e dêem conta das tarefas do dia-a-dia.

Existem projetos como gerenciadores de tarefa, pré e pós processadores de CSS, frameworks de teste com suporte a integração contínua, concatenadores de código, compiladores de módulos, conversores entre diferentes sistemas de módulos, dentre muitos outros. O Node.js se consolidou como a plataforma do desenvolvedor front-end.

Por que TJ está se despedindo?

Segundo seu texto de despedida, ele simplesmente não está mais inserido em um mercado onde o uso do Node.js é justificado. Dito isto, ele alega estar indo para Go que assim como o Node.js, lida muito bem com concorrência.

Uma mudança deste tipo faz todo sentido. Apenas alguns argumentos do TJ contra callbacks precisam ser melhor esclarecidos. O Node.js utiliza a mesma especificação da linguagem JavaScript utilizada nos navegadores. A única diferença é a maneira com que o Node.js implementa seu sistema de módulos baseado em CommomJS. Nenhuma nova construção foi criada para lidar com código assíncrono, por exemplo. E por isto o Node.js faz uso das famigeradas callbacks tão conhecidas por nós front-ends.

É claro que, como TJ mesmo cita, os generators (em conjunto com promises) dão uma nova perspectiva para o tratamento de operações assíncronas. Tanto que os projetos que ele se compromete em continuar mantendo são o co e koa.

O Node.js já foi criticado antes por ter adotado callbacks ao invés de promises, por exemplo. Mesmo assim, as funções da API do Node.js podem ser facilmente convertidas em promessas. A plataforma continua sendo muito poderosa e simples. As APIs são muito bem definidas e é muito fácil estender e aplicar novas técnicas.

O que a comunidade perde

A comunidade com certeza perde um dos seus membros mais ativos. É inegável que o TJ atraia bastante atenção e tenha trazido conceitos (a exemplo do Co) de outras fontes para a plataforma. Assim como o @shiota apontou, desenvolvedores com a importância do TJ precisam tomar cuidado com suas declarações. É muito comum que as opiniões sejam mal interpretadas. Muitos outros já deixaram o Node.js antes, inclusive Ryan Dal que foi seu criador. Não há nada de errado nisto, seres humanos enjoam e todos ganham quando sangue novo toma conta do pedaço.

Apesar de ser um grande desenvolvedor, TJ iniciava muitos grandes projetos e os abandonava para partir para outros que abordavam os mesmos problemas. Um grande exemplo é o próprio Express em relação ao Koa.

A comunidade Node.js tem muito o que amadurecer e este amadurecimento passa pela criação de soluções canônicas e robustas. Isto sem esquecermos quais os reais usos da plataforma. O Node.js sobreviverá. Longa vida ao Node.js.