Jean Carlo Emer

Live posting do primeiro dia da JSConfUY

Cobertura comentada sobre o primeiro dia da JSConfUY 2014. Confira também o segundo dia de evento dividido em parte 1 e parte 2.

We Play - Guillermo Rauch

Guillermo, conhecido pelo socket.io dentre outros vários projetos open source, é um dos keynotes do evento. Sua palestra inicia abordando um pouco da história do socket.io, que surgiu da frustração do difícil uso de outras ferramentas similares e teve como objetivo tornar simples o uso de WebSockets.

O assunto principal são as novidades da versão 1.0.0-pre do socket.io que teve seu release recenente. Nesta nova versão modularização foi levada a sério e todos os commits são testados automaticamente em IE6+, iPhone, iPad entre outros navegadores e dispositivos.

Note que a API nativa de WebSockets aceita apenas a troca de mensagens no formato de strings. A nova versão, além de suportar o formato JSON já presente na versão 0.x, também suporta binary data.

O projeto http://weplay.io, título da sua palestra, é um ótimo exemplo do transporte de informações em formato binário em um jogo colaborativo. O jogo é emulado no servidor e cada frame é enviado para os clientes em formato binário, o que é impressionante e extremamente performático.


Guillermo foi muito aplaudido por ser um nome importante da comunidade JavaScript. WebSockets é uma tecnologia incrível que infelizmente possui muitas implementações e problemas de suporte. Socket.io é um dos poucos projetos que efetivamente simplificou e popularizou a tecnologia. Foi uma honra assistir a apresentação de um dos seus criadores.

Jade: A templating language - Forbes Lindesay

Sem muita cerimônia, Forbes logo explora um código escrito em HTML e seu equivalente em Jade. O que segue é a apresentação completa da sintaxe e feaures da linguagem.

Um dos pontos interessantes foi a demonstração de como é possível passar conteúdo JavaScript para ser renderizado nos templates permitindo a geração dinâmica de HTML. Em favor do reuso, os mixins e layout templates foram apresentados. Outra funcionalidade interessante são os filters que permitem, por exemplo, mesclar código Jade com markdown.

O compilador do Jade foi descrito e defendido por ser bem desenvolvido e conter três estágios: lexer, parser e compiler. A vantagem para o usuário é a fácil depuração do código.


Sou um grande admirador de linguagens que geram outras, por assim dizer. Mas apresentar uma nova linguagem em um evento deste porte inclui destacar os problemas que esta soluciona. O uso de uma linguagem ou tecnologia precisa ser bem justificado.

Building for scale with KrakenJS - Lenny Markus

O objetivo do Kraken foi o de introduzir Node.js no PayPal. O Kraken.js é Web Application Framework* apoiado em Express e que segue suas convenções. O framework compreende uma série de módulos com funções específicas: Lusca, para segurança; Marara, para internacionalização; Kappa, que é um proxy# NPM para manter módulos privados. Os módulos podem ser utilizados individualmente em aplicações escritas em Express.

O Kraken teve sua infraestrutura definida em três meses e em mais quatro meses um projeto piloto foi codificado para substituir outro escrito em Java. O impressionante é que a equipe que escreveu o projeto piloto possuia apenas dois desenvolvedores contra doze do projeto anterior. As diferenças de números de linhas de código também impressionam positivamente. A função do projeto piloto foi adquirir credibilidade para a tecnologia Node.js no PayPal.


O framework teve uma adoção absurda no PayPal e eles já mantêm 20 aplicações escritas. A apresentação foi muito boa e o mais humilde dos ensinamentos foi: "Mantenha as convenções de Open Source ao invés de reinventar suas próprias".

Improving client-side apps' perfomance with Facebook's React - Jú Gonçalves

Jú Gonçalves inicia sua palestra com um de seus tweets que demonstra sua preocupação com performance. Em seguida, é apresentada uma explanação de como frameworks MVW geralmente funcionam.

O que faz o React diferente é que, em uma primeira análise, ele não se trata de um MVW framework: não há views, controllers e similares.

A chave do ganho de performance está relacionado com o fato de o React evitar acessar o DOM, o que ocasiona repaints e reflows. A biblioteca obtem informações do DOM através de uma abstração da DOMTree: a ComponentTree. Após uma série de processamentos, esta abstração pode ser consultada e atestar se é necessária alguma intervenção no DOM.

O projeto Om, uma interface em ClojureScript para React também foi apresentado. Om alcança peformances mais interessantes ainda devido as características de imutabilidade das linguagens funcionais.


A palestra tem um nível técnico de tirar o fôlego. É necessário muito estudo para dominar o uso e entender o funcionamento interno de cada uma das ferramentas apresentadas.

Taking Promises Seriously - James MacAulay

Promises surgiram de diferentes bibliotecas e propostas de especificações. O padrão mais aceito é o Promises/A+ e já há uma especificação rascunho no ES6: function Promise() { [native code] }. Antes das promises, o único jeito era usar callbacks aninhadas.

O uso de promises é baseado na função .then: promises que seguem a especificação irão retornar um valor transformado em uma chamada de .then. Desta forma, é possível aninhar chamadas de tal maneira que sua ordem afete o resultado final. É importante notar que o Deferred retornado nas chamadas assíncronas da jQuery não segue esta premissa.

Um uso interessante da API de promises, é utilizar a função race para definir um tempo limite de espera para que um valor fique "pronto".

É essencial que biblitoecas e frameworks passem cada vez mais a aceitar valores de promises. Para ajudar com esta tarefa, bibliotecas como kozu permite tornar qualquer função passível de ser utilizada com promises. Assim podem usar underscore com coleções cujos valores sejam promises, o que é muito interessante.


A palestra é cheia de boas sacadas em diversas bibliotecas e o conteúdo foi apresentado de maneira muito clara. Além disto, dominar promises é essencial para todo desenvolvedor que queira evitar o callback hell e explorar outras características poderosas.

Functional JavaScript - Federico Silva

Uma linguagem é baseada em expressões primitivas, meios de combinação e de abstração. Com a definição de linguagem é que Federico inicia sua palestra.

JavaScript possibilita diferentes paradigmas mas não força o uso de algum. - Jeremy Ashkenas

Em JavaScript, funções são cidadãos de primeira classe, o que significa que funções são equivalentes a qualquer outro tipo de valor da linguagem, podendo ser atribuídas a variáveis, por exemplo. Ainda, em JavaScript, as funções são de alta ordem: uma chamada de função pode receber funções e retornar outras.

Linguagens unicamente funcionais são bastante calcadas em imutabilidade. Pela caracterísica orientação a objetos do JavaScript, que tendem a manter estado e portanto são mutáveis, devemos tomar atenção.

A sequência da palestra mostra uma série de conceitos e práticas de programação funcional. Muitos dos exemplos são escritos em Underscore.

A conclusão é que, por programação funcional ser orientado ao processamento de dados, esta pode facilitar a vida do programador em muitos casos.


Este é um assunto do qual sou muito fã. Mesmo sem uma base funcional perfeita no JavaScript, (sem Tail call optimization, por exemplo) bibliotecas como Underscore podem fazer valer a pena programar no paradgima funcional. Um livro ótimo para quem quiser se aprofundar no assunto é o Functional JavaScript do Michael Fogus.


Promises and Generators: control flow utopia - Forbes Lindesay

A palestra apresenta um cenário utilizando callbacks para tratar um processamento assíncrono. A partir de várias implementações, a dificuldade e workarounds para tratar erros e excessões é explicado.

Além da definição de promises, a palestra apresenta o método .done. A máxima é que .then é para .done o que .map é para .forEach. Vale ressaltar que a especificação ES6 não inclui .done e portanto é necessário um polyfill. A justificativa de uso de promises é possibilitar uma escrita de código descomplicada que possa facilmente tratar erros.

A apresentação também abordou generators que são funções que podem interromper o fluxo de sua execução para posteriormente seguir daquele mesmo ponto. A integração de promises com generators pode ser bastante interessante e possibilitar a escrita de códigos poderosos. Um bom exemplo são as construções possíveis quando usando bibliotecas como a co.


Forbes já havia palestrado mais cedo no evento e conseguiu convencer mais nesta segunda palestra. O assunto é interessante e foi muito bem apresentado. Em especial, generators permitem sintaxes absurdamente expressivas.

Backbone.js - Jeremy Ashkenas

Jeremy é criador do Backbone.js, Underscore.js e CoffeeScript, nada mais óbvio que seja um dos palestrantes mais esperados do evento.

A apresenta apresenta o cenário atual de desenvolvimento. Há cinco anos atrás, um website não era tão ambicioso quanto os que estamos acostumados desenvolver. Por isto é que devemos levar a sério o uso de JavaScript, aplicações monolíticas não é a melhor maneira de se escrever código.

Backbone.js nasceu de uma aplicação destinada a armazenar e compartilhar documentos de trabalho de jornalistas. A principal característica da biblioteca é não fazer do DOM a principal fonte de informações da aplicação e uma das filosofias é sempre se manter o mais minimalista possível. Toda nova funcionalidade do Backbone.js é implementada com base em casos de usos.

O ponto mais fantástico é que Jeremy acredita que o código da biblioteca, mesmo que não necessariamente precise ser explorado pelo programador, deve ser simples o suficiente para ser lido sem impedimentos.

Jeremy apresenta alguns dos seus Backbone.js Patterns preferidos:

Dentre outros padrões.


A palestra durou quase uma hora e valeu cada segundo. O Jeremy demonstra uma maturidade fora do comum no palco. E isto não é por nada. O nível de conhecimento e sua influência na comunidade JavaScript é inquestionável.

Sua observação de que código se escreve para leitura e sua paciência em manter todos os seus projetos open sources sempre atualizados é incrível. Melhor palestra do dia.


Confira também o segundo dia de evento dividido em parte 1 e parte 2.